quinta-feira, 19 de maio de 2011

Desmascarando Malafaia: quando um ignorante posa de jurista.

Quando o assunto é o PLC 122/2006,  Reinaldo Azevedo,  Olavo de Carvalho (nos comentários) ,  Júlio Severo, Magno Malta, Marcelo Crivella, e, sobretudo, o pr. Malafaia, hoje provavelmente o maior paladino anti-PLC122.


Dia 19 pela manhã no Twitter, fui desafiado a mostrar onde estavam os erros de Malafaia no  vídeo de um debate de Malafaia com a deputada Iara Bernardi (parte 01 e parte 02)


Lamento que a deputada tenha se preparado tão mal, sem falar na falta desse dom da oratória para não ser ofuscada por Malafaia. Mais à frente explicarei o porquê. O pastor Malafaia, com toda sua oratória, saiu vencedor. Tanto é assim que foi marcado outro debate, onde, mais uma vez, o PLC 122 teve uma representante despreparada. Contudo, um olhar mais treinado, viu-se que a vitória foi "puro gogó", não de argumentos e a seguir mostro as falácias e inverdades.


1. “A lei criminaliza a opinião”


Nenhuma novidade, já que calúnia, injúria, difamação e o art. 20 da Lei Anti-racismo) são crimes de opinião.


2. “Homofobia é uma pessoa doente na Psiquiatria que quer matar um homossexual”


Provavelmente, se baseou na “Psiquiatria” (mas ele é psicólogo) para tentar dar um verniz mais científico a essa definição, mas homofobia não é isto. Homofobia é preconceito, antipatia, medo ou aversão irracional a LGBTs (não dá pra ser mais simples do que diz a Wikipedia - vejam-se as fontes da definição) e se manifesta por palavras, atos (agressões físicas) e até homicídios bárbaros - xenofobia não tem apenas o sentido estrito de "medo ou aversão ao que é estrangeiro". Em outras palavras, homofobia está para LGBTs como racismo para negros, machismo para mulheres, antissemitismo para judeus.


3. Não entendo essa crítica de que o PLC 122 é "lei do privilégio", pois quando ele se refere à “orientação sexual”, inclui heterossexuais também. Ou será que o pastor acha apenas que é privilégio o tratamento dado aos grupos hoje previstos na lei Antirracismo, dentre eles os religiosos?


4. “Alguém na afetividade homossexual for impedido é 02 a 05 anos de cadeia (...) No pátio de uma igreja tem um casal heterossexual e um homossexual (...) e um casal tiver se agarrando e o pastor impedir é 02 a 05 anos de cadeia”


O PLC trata de garantir a LGBTs o direito de manifestar seus sentimentos (um selinho, um abraço, andar de mãos dadas, por ex.), da mesma maneira que hoje casais heteroafetivos o fazem. Nem mais nem menos. Se houver exagero, a punição deverá existir como também seria para um casal heteroafetivo que passasse dos limites.


5. Bem, agora explico o porquê do despreparo de quem fez a defesa do PLC 122 e, ainda, como é incompetente o pastor Malafaia por posar de jurista e ignorar as atualizações desse projeto que, para ele, é tão perigoso. Os vídeos foram postados no dia 24/02/2010. Desde 17/11/2009, a sen. Fátima Cleide havia apresentado um Projeto Substitutivo, que alterou radicalmente a redação.


De minha parte, eu também via como inconstitucional o PLC 122 na redação original (em resumo: muita sede ao pote), mas o referido Projeto Substitutivo sanou esse erro e é plenamente constitucional (como concordam vários juristas de renome nacional e dois ministros do STF).


Assim, descabidas essas críticas, pois a previsão de pena de 02 a 05 anos não existe mais. Aos 4’03” ele cita o artigo que era, de fato, o mais absurdo (art. 20, § 5º), mas que não existe no Substitutivo. As críticas recaem num anacronismo ridículo.


Quanto à manobra na aprovação,  se é que houve, foi um erro infeliz e não ofusca os méritos da proposta nem o debate democrático ao longo de toda a tramitação.


5. “Comparar homossexualismo (sic) com racismo é outra definição. Ninguém nasce homossexual. Homossexualismo é comportamental (...) Negro não pediu pra nascer negro, é negro, criança não pede pra ser criança, é criança, idoso não pede pra ser idoso, é idoso. Querer colocar, querer botar comportamento naquilo que uma pessoa nasce sem opção é uma vergonha. (...) Querer comparar comportamento com raça é o grande jogo deles. Por que se eles fazem uma lei só deles, já tava no lixo há muito tempo, mas eles querem misturar.”



Vergonha, pastor, muita vergonha alheia é o que eu sinto quando um jurista – aliás, um poser de jurista – ignora um conceito tão básico como o de “analogia”. Explico:  analogia, segundo o dicionário Michaelis (1998), como “semelhança de propriedades”, “semelhança em algumas particularidades”. São semelhanças existentes entre coisas, seres de naturezas distintas (maiores detalhes aqui).



Já que o pastor não aceita a homossexualidade como fenômeno normal da sexualidade, eu quero lembrar que “religião”, hoje protegida na Lei Antirracismo, também não é condição inata, foi incluída na lei porque religiosos  foram, ao longo da história, um grupo discriminado e sistematicamente perseguido, tal qual negros, judeus. E é exatamente por ser um grupo social histórica e sistematicamente discriminado que LGBTs, assim como religiosos, devem ser incluídos na Lei Anti-racismo.

Esse argumento é uma sinuca de bico: se se fala em “escolha/opção sexual”, em “comportamento” de LGBTs e daí se conclui ser ilegítima inclusão desse grupo na Lei Antirracismo, automaticamente se reconhece que “religião” e “procedência nacional” também não deveriam estar na lei porque são prática/conduta e escolha (ainda que dos pais), respectivamente; contudo, se se alega que “religião” e “procedência nacional” devem sim ficar na lei porque indicam grupos histórica e sistematicamente discriminados, forçosamente se reconhecerá o argumento justificando inclusão dos LGBT’s. Não há meio-termo.



Não é apenas o Movimento LGBT brasileiro que faz essa comparação, o Parlamento Europeu considera homofobia equiparável a racismo, xenofobia, anti-semitismo, sexismo; a ONU igualmente.


6. “Eu provo na Ciência, não existe ordem cromossômica homossexual, ordem cromossômica é macho e fêmea. ”



Para Malafaia homossexualidade é prática, conduta. Religião também, já que não se tem notícia de que se nasça hinduísta, evangélico... Ou há uma ordem cromossômica para religiosos? Para negros (cuja diferença é apenas mais melanina na pele)? As comparações de Malafaia só são feitas quando convém, por mais falaciosas que sejam.



7. “Eu vou provar pra deputada que a lei criminaliza e ela é contra a Constituição, o art. 5º, inc. IV. (...) Os grupos de homossexuais me denunciaram no MJ tentando tirar meu programa do ar porque eu preguei com a Bíblia a questão da homossexualidade. Eles tentarão me incriminar no CFP, eu como pastor antes da lei ser aprovada.”


Difícil opinar se não se sabe o conteúdo das declarações – e a julgar quem as faz é de se ter receio –, mas para que o uso do “incriminar”? No máximo poderia ter o registro profissional cassado caso adotasse, na sua atividade de psicólogo, um “tratamento para cura” (conforme art. 3º da Resolução 01/1999 do Conselho Federal de Psicologia).


8. “Os grupos homossexuais não suportam o debate crítico. E a democracia (...) a marca da democracia é a livre expressão de opinião.”


Uma estúpida generalização fácil de desmentir: foram realizadas diversas audiências públicas na Câmara e no Senado. Desde 2006 eu e esmagadora maioria da militância LGBT debate o projeto. Só o pastor Malafaia não enxerga isso.


9. “Tomara que essa lei seja aprovada porque ela não tem em lugar nenhum do mundo...”


Existem leis que punem a homofobia no Canadá, Bolívia, Colômbia, Equador, Nicarágua, Uruguai e algumas áreas do México, Andorra, Bélgica, Croácia, Dinamarca, França, Países Baixos, Portugal , Roménia, Espanha, San Marino, Suécia, Reino Unido, Nova Zelândia, dentre outros. O Brasil faz parte do grupo de países que não tem uma lei desse tipo e cujos índices de desenvolvimento e respeito aos Direitos Humanos são baixíssimos.


Pra finalizar, diz que o “verdadeiro descriminado do Brasil é o pobre, os jovens assassinados é número ínfimo e LGBTS não são grupo de risco”. 


Ignorar episódios homofóbicos como o da av. Paulista, o assassinato de inocentes como o menino Alexandre Ivo, de apenas 14 anos, não faz menos verdadeira e cruel a realidade cotidiana da homofobia vivida pelos LGBTs do Brasil, aliás crimes de ódio homofóbico crescem no mundo inteiro, segundo alerta da ONU  no último dia 17, Dia Mundial do Combate à Homofobia.

Pastor Malafaia, estou à disposição para um debate na TV, na rádio, em um jornal, nas redes sociais da internet, onde for. Desmascarei aqui suas falácias e faria de novo em qualquer outra oportunidade.

Só restou, de todo o debate, apenas a oratória de Malafaia. Ainda hoje ele fala em “mordaça gay”. Os seguidores o aplaudem e parabenizam pela aguerrida luta anti-PLC 122... Já eu, que não me deixo impressionar por esses posers de plantão, penso:

Como! Um grande homem?  Não vejo nada além de um comediante do próprio ideal. (Nietzsche)

29 comentários:

  1. Agradeço pelo artigo, sinceramente. Precisamos de cabeças PENSANTES, como a sua, para conseguirmos nos libertar dos grilhões fundamentalistas, hipócritas e de ideias curtas a que somos submetidos todos os dias.

    ResponderExcluir
  2. Cientistas gays isolam gene cristão http://www.youtube.com/watch?v=KMcnVCFIHxM

    ResponderExcluir
  3. Olha eu também não gosto do Malafaia detesto religão no meio de política, assim como não entendo porque não liberam esta maldita lei já que está esta refeita. Mas preciso fazer umas considerações

    Vc somente é considerado portugues, alagoano ou pernambucano se nascer nestes locais. Judeu para ser judeu legitimo tem que nascer judeu ou então se converter a lei. Eu é que não entendo como identidade de genero que é algo totalmente construido socialmente está ao lado de raça.


    Homossexualismo não é natural nem tampouco heterossexuais ou bissexuais. A orientação sexual é SIM construida psicologicamente e socialmente, mas no entanto, a homossexualidade está relacionada também a disfunções hormonais e somados aos fatores os quais mencionei. Natural mesmo só macho e fêmea.

    Me desculpe, mas tanto ele quanto vc trás erros crassos em seu discurso. Além tanto dele quanto vc está falando em cículos.

    ResponderExcluir
  4. E baixe a crista que assim como ele vc não desmacara ninguém já que caiu no discurso do senso comum de que sexualidade é algo natural. Nenhuma sexualidade é natural, meu caro, tudo pe construido socialmente

    QUANTA ARROGÂNCIA

    ResponderExcluir
  5. Blenda, faço apenas minha parte, com coerência e honestidade, como todos os cidadãos deveriam fazer. =)

    ResponderExcluir
  6. Claudia, PROVE que homossexualidade é disfunção hormonal: eu quero pesquisas científicas não achismos. Defina "natural". Arrogante? Sou incisivo e não aliso histriônicos desse tipo. "Tudo é construído socialmente"? Esse cientificismo tem um nome: sociologismo. caso não tenha percebido, eu tenho duas frentes de argumento: pra quem eentende natural eu nem preciso explicar, mas quem acha que é opção, eu expus a sinuca de bico. No mais, eu falo de analogia, para entender melhor: http://comendoofrutoproibido.blogspot.com/2011/04/prazer-meu-nome-e-analogia.html Os argumentos estão aí pra ser rebatidos.

    ResponderExcluir
  7. Eu sou formada em ciências sociais e por isto sei do que falo. E se vc chegar com este senso comum falando que sexualidade é algo natural, vão rir da tua cara. Eu não provo nada, quem te que provar é vc que ela é natural a toda comunidade cientifica que diz que não é

    Vá estudar antes de se arrogar desta forma e chamar alguém para um debate. Meu caro, vc vai perder feio.

    Pergunte a qualquer biológo se a homossexualidade está relacionada a produção de homrmonios, somada a fatores psicológicos e sociais. Se vc nega isto sinto muito mais é tão igonorante quanto o Malafaia

    E quando oMalafaia quando afirma que ela é psicológica, não está de todo errado, e o que está tentando derrubar é o argumento de que ela é biologicamente natural. Porém, ela ( tanto quanto vc) não sabe que não se restrinje a isso.

    No mais identidade de fênero está totalmente fora do context porque também se refere a travestis e ninguém nasce travesti, as pessoas ficam travesti, portanto é algo construido socialmente incomparável com raça.

    ResponderExcluir
  8. Eu sou estudante de Biologia, e você está errada Claudia, não há nada de hormonal na homossexualidade. Biólogos hoje em dia apesar de ainda não definidos, tendem mais ao lado genético. Homossexualidade está para o homem assim como a cor do cabelo, olhos, estrutura corporal e etc :)

    ResponderExcluir
  9. Psicológicos e sociais? Quero ver você me explicar gays que nascem em famílias homofóbicas, ou melhor ainda, em países da áfrica, onde homossexualidade é punida com MORTE!

    ResponderExcluir
  10. Claudia, argumento de autoridade comigo não cola. 1. Eu falei em fenômeno NORMAL da sexualidade, mas quero que você defina "natural"; 2. Somos um resultado de múltiplos fatores: endógenos e exógenos, em amior ou meno grau, falar em exclusiva "construção social" e ignorar o susbtato biológico é sociologismo; 3. Eu não neguei a sexualidade como algo influenciado por múltiplos fatores, você foi quem pôs tais palavras na minha boca, eu disse apenas que homossexualidade é um fenômeno normal (usei o "natural" pra me referir a isso, mas só nos comentários); 4. Independentemente de naturalidade/opção ou algo que o valha, meu argumento resiste: é analogia baseada no fato de que LGBTs são um grupo histórica e sistematicamente discriminado, como judeus, negros, imigrantes, é "raça" num sentido sociológico.

    ResponderExcluir
  11. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  12. Vejamos, se é hormonal, não é natural? Ou se for psicológico, se torna uma escolha? As pesquisas científicas, por mais que apontem na direção de uma determinação embriológica, não conseguem descartar as outras influências. As pesquisas são inconclusivas e usar argumentos enfáticos de certeza é errado. "Orientação sexual é genético/hormonal/psicológico/social/embriológico"... tentar dar um ar de certeza num argumento como esse é babaquice. As pesquisas científicas estão em andamento, não há uma conclusão absoluta.

    Mas a questão não é essa. Não é isso que está em debate. Mesmo que a orientação sexual seja determinada exclusivamente por "influências" ambientais (hipótese que eu considero patética), os homossexuais são um "grupo" que sofre preconceito. Isso é fato. A etiologia é irrelevante. A determinação da religião individual de cada um é (praticamente) totalmente social, mas a inclusão da discriminação por religião no texto da lei não é questionada. Daí fica a questão: se a discriminação religiosa é proibida e punida na lei, por que a discriminação por orientação sexual não poderia ser?

    ResponderExcluir
  13. Harry, vou até utilizar posteriormente essa idéia. Estou autorizado? =) Perfeito resumo.

    ResponderExcluir
  14. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  15. Harry

    Ninguém diz que é escolha, pelo contrario, mas também dizer que alguém nasce assim ou assado é puro senso comum, não serve ao debate deste nivel.



    Quando o Malafaia fala que é psicológica, ( não é tão verdade, mas não é tao mentira, porque ele nega o fato genético/hormonal) justamente ele neha o discursos de que alguém nasci assim e não que seja opção.


    Se vc acha realmente patética, porque vc não ´da uma um simples busca pelo Santo Google, padroeiro de todos aqueles que querem saber e pergunte sobre " orientação sexual", que é diferente de opção, porque o simples conceito de "orientação" já nega completamente a idéia de "opção".

    ResponderExcluir
  16. Thiago

    Esta história de analogia me desculpa, mas é a mesma retórica do Malafaia. Vc estão apenas discutido a cor dos peixinhos do aquário, um jogo de egos e de opiniões para ver quem está certo ou errado.

    A ciência já disse como é homossexualidade é construida. discutir isso ainda porque?

    Essa lei nunca foi aprovada por pura incompetência do legislativo e do Executivo o grande legislador desse país e não por causa de bancada religiosa.

    ResponderExcluir
  17. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  18. Hannah

    Errada?kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    Querida e a produção de hormonios está relacionada ao quê, se não a genética? Os genes presente nos cromossomos são que induzem, através da produção de hormônios, o aparecimento das características sexuais. Mas isso não quer dizer que eles comandam a SEXUALIDADE; apenas o desenvolvimento dos caracteres sexuais.

    Sinceramente como uma estudante de biologia pode acreditar que somente a genética determina alguma coisa, se até para a biologia a genetica deve está aliada ao ambiente para se desenvolver.

    Lamentável.

    Esquizofrenia tem base genética, mas para que ela se desenvolve o esquizofrenico deve viver num ambiente propicio a isso. Pergunte ao seu professor se existe o "gene gay"

    já ouviu falar na escala Kinsey?. Ele é biológo e até disse que os fatores culturais e sociais e psicológicos são determinantes na sexualidade homossexual/ hetero e bi. E vc acredita que é só genético?

    ResponderExcluir
  19. Claudia,

    1. Analogia é um argumento jurídico e sociológico mais do que suficiente para mostrar o acerto de meus argumentos (a união estável foi decidida justamente com base nele). Insisto: deixando de lado a etiologia da sexualidade, resta o fato de que LGBTs são um grupo discriminado histórica e sistematicamente, tal qual judeus, reigiosos, negros, mulheres, pessoas com defici~encia, ciganos;

    2. Uma coisa é sexualidade ser influenciada geneticamente outra bem diferente é dizer que a homossexualidade é produto de "disfunção hormonal" (suas palavras: "a homossexualidade está relacionada também a disfunções hormonais"), como você colocou no primeiro comentário. Será que partiu da premissa implícita de que a heterossexualidade seria uma normal sexualidade pela boa "dosagem" de hormônios?;

    3. Não é culpa da bancada religiosa? Dê uma ldia nos jonais e veja quem quer anular a decisão do STF sobre união estável homoafetiva, quem está barrando o PLC 122, quem está barrando o kit anti-homofobia nas escolas... Certeza que você vive no Brasil?

    ResponderExcluir
  20. Depois de você deixar em bem claro que não sabe a diferença entre genótipo e fenótipo pra que discutir?

    ResponderExcluir
  21. Dois textos esclarecedores do dr. Dráuzio Varella sobre homossexualidade: http://tinyurl.com/33pf64j e http://t.co/6Ky7iFQ

    ResponderExcluir
  22. Meus aplausos ao texto, acho que é necessário um debate com pessoas assim bem preparadas para refurtar as afirmações ridiculas, tanto do Malafaia quanto do Dep. Jair Bolsonaro, que gritam ao mundo sua intolerancia e aversão, e se aproveitam do povo desenformado para propagar suas mentiras (como o dep. Bolsonaro que ridicularizou o kit 'escola sem homofobia', alem de espalhar falsas informações sobre a idade dos alunos que teriam contato com o mesmo e do conteúdo que seria exposto)

    ResponderExcluir
  23. "Uma coisa é sexualidade ser influenciada geneticamente outra bem diferente é dizer que a homossexualidade é produto de "disfunção hormonal" (suas palavras: "a homossexualidade está relacionada também a disfunções hormonais"), como você colocou no primeiro comentário. Será que partiu da premissa implícita de que a heterossexualidade seria uma normal sexualidade pela boa "dosagem" de hormônios?"

    É melhor mesmo discutir sua analogia porque nas outras vc não dá mesmo. Querido a produção de hormonio é induzida pelos genes. No caso dos homossexuaais isto está relacionado ao cromossomo X que é feminino. Quando usei o temo "disfunção" não quis dizer que seja algo anormal vc é entendeu assim. Se vc quer o gene gay, sinto lhe dizer ele não existe.

    E da mesma forma que Malafais faz, vc distorce as coisas da forma que lhe convém. Expliquei no geral primeiramente e depois mais concisamente vc logo desconsiderou as minhas explanações posteriores.Da mesma forma que o Malafaia faz.

    Ah tá não foi incompetência do legislativo? O projeto da união homoafetiva estava na gaveta há 16 anos e ninguém fez nada. Não é?! Tá!

    ResponderExcluir
  24. No mais vejo seu tuites. Vc é um ateu que pensa que sabe que é melhor para o mundo da mesma forma que o Malafaia.

    Eu me diperço do seu blog.

    ResponderExcluir
  25. Excelente artigo sobre o tema.
    A discursão com a Claudia acima acredito que deveria ser removida, percebe-se que ela só entrou pra tumutuar. Lançando argumentos falhos e sem citar nenhuma fonte que comprovasse seus pontos de vista. Logo deveria ser ignorada.

    ResponderExcluir
  26. Só para exemplificar o que digo sobre argumentos falhos e sem fonte.
    Se ela realmente quisesse uma discursão séria sobre o tema, ela procederia da seguinte maneira:
    Afirmação:
    "Pergunte a qualquer biológo se a homossexualidade está relacionada a produção de homrmonios, somada a fatores psicológicos e sociais."
    E logo abaixo ela colocaria pelo menos um livro ou uma tese de algum biologo conceituado defedendo e explanando o ponto de vista que ela defende.

    Realmente nos dias de hoje a homossexualidade já foi quase totalmente desvendada pelas neurociências, não sendo de maneira alguma cultural e muito menos uma patologia. Trata-se apenas de um acidente ontogênico derivado da homeostasia dos hormônios esteróides por ocasião da formação dos receptores cerebrais destes neurohormônios.

    Mas temos uma discursão muito grande a respeito e a maneira como a Claudia se postou em todas os seus comentarios não acrecenta em nada no dabate.

    ResponderExcluir
  27. Querido, ótimo desmonte das falácias típicas do Malafaia. Quanto a certas críticas muito estranhamente construídas, há quem confunda o caráter construcionista e cultural da sexualidade (portanto, do gênero, da identidade de gênero e mesmo da construção da noção de orientação sexual) com a base biológica do desejo, seja ele homossexual, bissexual e heterossexual. Esta base já está fartamente documentada, e quem se utiliza da retórica culturalista de modo enviesado acaba por produzir isto: a ignorância de que o ser humano é um produto associado de base biológica com cultura.

    Entretanto, o mais estranho é que este debate ainda se dê em bases biológicas, quando bastam as bases jurídicas e morais para que reconheça que todos têm direito à livre manifestação da sexualidade; que crimes de ódio são um fenômeno sociológica e juridicamente reconhecido em dezenas de nações democráticas (ou seja, que possuem o estado democrático de direito como modelo sociojurídico); que tais crimes são especificamente direcionados a alguns grupos sociais de modo histórico e que, portanto, merecem específica penalização por parte do Estado.

    É, em suma, irrelevante se a homossexualidade é uma escolha ou não (sabemos, com farto material científico, que não é), pois sua livre vivência está assentada nos preceitos fundamentais de qualquer democracia que têm a dignidade humana como vértice constitucional.

    Abraços. =)

    ResponderExcluir
  28. "É melhor mesmo discutir sua analogia porque nas outras vc não dá mesmo."

    Ai, ai... Orientação sexual é algo construído e infuenciado por múltiplos fatores, mas sexualidade (desejo) é inato. Os estudos que tenho na área me dão tranquilidade pra afirmar isso, apesar de leigo.

    "Quando usei o temo 'disfunção' não quis dizer que seja algo anormal vc é entendeu assim. Se vc quer o gene gay, sinto lhe dizer ele não existe."

    Essa é nova, qualquer dicionário no mundo define disfunção como algo fora do seu funcionamento normal, daí o sufixo "dis". Eu nunca falei em "gene" por entender que a sexualidade, como fenômeno complexo que é, seria fruto de muitos fatores, como em todas as outras "áreas" do fenômeno humano. Poderiam nesse ponto falar de "falácia de composição", mas teriam de explicar porque apenas a sexualidade não seria influenciada por vários fatores, como acontece ao resto da "natureza humana".

    "E da mesma forma que Malafais faz, vc distorce as coisas da forma que lhe convém."

    Pelo desculpas se meu raciocínio disjuntivo, analítico de argumentos lhe soou como "distorção". O que não vou é me deixar amedrontar por um pedante "eu sou formada em ciências sociais e sei do que falo" e nem se dá ao trabalho de ler os jornais.

    "Ah tá não foi incompetência do legislativo? O projeto da união homoafetiva estava na gaveta há 16 anos e ninguém fez nada. Não é?! Tá!"

    Ai, ai... A única pessoa que pensa ser a influência da bancada evangélica e a incompetência do Legislativo dois fatos excludentes entre si é você. É o que se chama de falácia de falso dilema. Tanto um como outro são dois fatores que, juntos, explicam essa ausência de uma lei penal que proteja LGBTs, contudo é óbvio que a bancada evangélica é que tem atuado de forma efetiva para impedir a aprovação do PLC 122. É lamentável ter que sugerir a uma cientista social que leia os jornais.

    Ahh, e devo corrigir: o projeto de 1995 é de parceria civil e não união estável homoafetiva 9algo pensado de uns tempos pra cá). Sei disso porque... Ahh, eu sou jurista responsável e me inteiro das coisas de minha área antes de debater.

    "No mais vejo seu tuites. Vc é um ateu que pensa que sabe que é melhor para o mundo da mesma forma que o Malafaia."

    As pessoas defendem suas idéias e as julgam melhor para o mundo, é óbvio, mas, diferentemente de Malafaia, eu não minto nem distorço os fatos para defender o que penso. Eu apenas exponho de forma coerente e fundamentada o que penso e coloco à prova de outras pessoas que discordarem para, de forma saudável, travarmos um debate.

    "Eu me diperço do seu blog."

    Eu poderia discutir aqui infinitamente, mas seus comentários, amplamente sem fundamentos, só dispersaram o debate. Eu quem me despeço lamentando o fim da discussão.

    ResponderExcluir
  29. Thiago, estás autorizado sim. Minhas ideias são domínio público.

    Cláudia, claramente tens problemas de interpretação de texto. E de criação de texto também, demonstrado pelo "disperço" no último comentário.

    ResponderExcluir