domingo, 1 de abril de 2012

O pesadelo das viúvas: corrupção na ditadura militar.

Não pretendo falar das atrocidades cometidas durante o regime militar (torturas, assassinatos, desaparecimentos forçados, execuções sumárias, censura), mas apenas demonstrar que as viúvas da ditadura, que ainda hoje choram lágrimas de sangue e pedem o retorno desse regime, alegam, sobretudo, que os militares prezavam pela lei, ordem, moral e bons costumes. 


Lembro aqui bastante do Bolsonaro, esse nato defensor da moral e dos bons costumes (aprendidos no Exército, claro), que, recentemente, soltou a pérola de que no regime militar havia liberdade de ir e vir... Concordo: liberdade de ir para o DOPS, com direito a ser torturado, de ter a boca colocada junto ao escapamento de um jipe e ser arrastado por este no pátio de um quartel (caso de Stuart Angel, filho de Zuzu Angel), para a cova, de acordo com a vontade dos militares. Ele tem todo o direito de negar e espernear que houve um regime de exceção, mas a realidade o desmente. Quem dera, por ter sido no 1º de abril o golpe, que fosse tudo mentira...

Bem, relembro aqui meu post "Deputado Bolsonaro em uma frase: faça o que eu digo e não que eu faço", onde mostro que  Bolsonaro foi militar insubordinado e, numa clara atitude terrorista (tal qual o caso do Riocentro) da qual ele tanto lutou contra (o "terrorismo" da esquerda à época), chegou a planejar explodir uma bomba na adutora de Guandu, que abastece o RJ.

De lá pinço uma declaração do general Geisel, uma "pessoa séria", nas palavras de Bolsonaro, que desmistifica a tão famosa "incorruptibilidade" dos militares na época. Ronaldo Costa e Couto (1999, págs. 150 a 151), no fabuloso "História indiscreta da ditadura e da abertura –Brasil: 1964-1985" (Editora Record) discorre como se dava a corrupção entranhada nas Forças Armadas:

É fundamental levar em conta o apreço e apego de Geisel à ordem e à hierarquia. A verdade é que o sistema militar havia perdido o controle sobre o aparelho de segurança e de informação. Era preciso reprimir a repressão, conter seus excessos, enquadrá-la na hierarquia e disciplina militar. Impor-lhe a cadeia de comando. Para ele, a revolução envelhecera, estava na contramão da história. Mais que isso: desfigurara-se, deteriorara-se. A censura, travando a fiscalização da imprensa, facilitava a corrupção, inclusive de militares e ex-militares. Era essa a avaliação de Geisel, segundo o almirante Faria Lima: "Ele se instalou lá naquele Palácio do antigo Ministério da Agricultura para trabalhar na organização do seu programa de governo. Na verdade, ele já estava se preparando há muito tempo. Ele me disse, naquela ocasião que ia fazer a abertura. E eu disse a ele: 'O senhor acha que é a hora para fazer a abertura?' Ele me respondeu: 'É. Porque a corrupção nas Forças Armadas está tão grande, que a única solução para o Brasil é abertura.'" Por outro lado, a repressão política criara um poder militar paralelo, autônomo, enfraquecendo os comandos, prejudicando a hierarquia e a disciplina, ameaçando a ordem dentro das próprias Forças Armadas. A concentração excessiva de poder no governo, se por um lado significava força, por outro expunha o governante. E a tão temida ameaça comunista mostrava-se cada vez mais improvável, distante, descartada.


 Que belo soco no estômago, não?

Chateia, no Brasil de hoje, perceber que, quando se trata dos militares serem insubordinados e desafiarem sua comandante-em-chefe comemorando aniversário da ditadura, a presidente Dilma, a Dama de ferro tupiniquim, se acovarda, seja para puni-los por isso, seja para instalar uma Comissão da Verdade que, de fato, resulte na punição dos responsáveis pelos crimes de Estado cometidos à época.






Sempre que uma viúva chorar, fale dessa declaração cristalina de Geisel para mostrar que de  moral e bons costumes o regime militar não teve nada.

8 comentários:

  1. Como esses esquerdopatas são mentirosos!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Chamar-me de "esquerdopata" é falácia, sequer chega a ser um argumento.

      Estão aí os fatos, goste você ou não.

      Excluir
    2. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    3. Pra você só existe corrupção quando é por parte da esquerda. Quando é por parte da direita, provavelmente finge que não vê. Vai chorar pela ditadura em um lugar mais apropriado, junto dos demais reaças, viuvinha saudosista.

      Excluir
  2. Robson não sabe do que está falando, hoje ele tem liberdade pra falar o que quizer, mas se estivesse na ditadura estaria calado igual um coitadinho com medo. É fácil falar sobre o que não se viveu, mas quem teve parentes desaparecidos na época sente até hoje a injustiça instaurada pela ditadura, que acabou efetivamente somente em 2003, deixando até os dias de hoje um legado negativo, o Sr. Robson é um exemplo deste legado!

    ResponderExcluir
  3. Os melhores anos do Brasil: o militarismo

    ResponderExcluir
  4. Onde não tem corrupção? Compare o período do regime militar com o período do civil, desde a saída dos militares até hoje!
    Quem ganha em corrupção? Havendo ou não corrupção no regime militar, não há informação que os Generais que governaram o país se corromperam. Pelo contrário, pelo que vi naqueles tempos, os presidentes militares não se corromperam.
    Bastava expulsar das forças armadas. Óbvio, poderia ser perigoso, mas como regime militar, poderiam fazer isso, com uma investigação séria.
    Acredito que o governo não se preocupou com essa parte, pois talvez não fosse tão visível enquanto ainda não estavam no comando.
    Mas, com corrupção ou não, eles levantaram o país, colocaram o país numa posição de destaque internacional, entre as maiores economias do mundo, se não me engano na 7ª ou 8ª posição.
    Criaram muitos benefícios para o povo, e por incrível que pareça, até a saúde era melhor do que a que temos hoje, nas mãos dos civis. Segurança nas ruas, então, nem se fala, e não existia crime organizado.
    Bem, não vou mencionar tudo que fizeram pelo país, pois provavelmente não teria espaço suficiente.
    Acho engraçado aqueles que falam do regime militar, hoje em dia.
    Falam com tanta autoridade, como se tivessem vivido aqueles tempos e sofrido às mãos dos militares e como se tivesse sido torturados.
    Muitos são jovens e apenas leram nos livros manipulados de histórias, ou aprenderam de outros que também não viveram a época, ou que aprenderam dos civis de hoje, também comunistas, que sobreviveram o tão TEMIDO, o MAIS ATERRORIZANTE regime militar brasileiro.
    Parece até um filme de terror brasileiro. Falam somente das coisas ruins que aconteceram, por força do comunismo que assolava o país naquela época, e, se não fossem as FFAA, hoje estaríamos vivendo num regime comunista, que só não aconteceu graças à ação de um general que estava à uns vinte dias de sua aposentadoria, que pôs as tropas nas ruas e assumiu o controle, enquanto que o Branco do Brasil estava prestes a pedir falência, de tanto que estava ruim para o Brasil.
    Empregos não faltavam, e podíamos escolher a empresa onde queríamos trabalhar.
    Inflação era alta, mas tinham suas compensações.A justiça do trabalho, era realmente melhor do que hoje.
    Bem, se morreram uns 300 ou 400 durante aqueles tempos, foram os que não se conformavam com o controle das FFAA, pois da maneira como roubavam, quase levou o país à falência.
    E hoje? Quantos morrem no país por ano? Quanto já morreram nesses últimos 31 anos? Mais que uma guerra mundial, e mais do que as duas guerras mundiais juntas?
    Hoje tem crime organizado, até o congresso nacional transformou-se em Sindicato do Crime Organizado, e pelas mesmas pessoas que em 64 não conseguiram implantar o comunismo no Brasil. Que sejam todos, pois muitos já faleceram, mas ainda tem muitos.
    Hoje o país está pior em corrupção e corruptos do que nos tempos do regime militar, e as mortes, nem como calcular.
    Mesmo com as corrupções no regime militar, os generais conseguiram reerguer o país.
    Ahhh, outro item que foi mencionado sobre liberdade. Tínhamos liberdade sim! Para a população não havia problemas, pois senão houvesse liberdade, ninguém poderia sair para trabalhar, curtir praias com segurança, sair para baladas (sabia que tinha baladas naquele tempo?), podíamos chegar de madrugada em casa, circular em ônibus, dirigir carros, motos, andar a pé por longas distâncias com segurança, a qualquer hora, não havia crime organizado nas favelas, como temos hoje, a TV era instrutiva, não destrutiva como hoje, da boa moral.
    Bem, estou quase escrevendo uma biblioteca do bem que o regime militar foi para o Brasil.
    Mas, só sabe como foi quem vivem aquela época, e eu vivi boa parte dela, e tinha plena liberdade, como já mencionei aqui.
    Peço aos que se acham inteligentes, instruídos, com cursos superiores, que pensam ter aprendido tudo sobre o regime militar, nos livros de histórias MANIPULADOS pela elite do mal, que antes de falar mal do que não tem conhecimento, procurem a verdade, não em livros de histórias, que na verdade eu os chamo de livros de ESTÓRIAS.

    ResponderExcluir
  5. Outro detalhe, é o que chamam de ditadura, o Contra-Golpe de 64. Responda-me algumas perguntas.
    Como é uma ditadura?
    Como tenho visto pelo mundo, as ditaduras são comandadas por apenas um único governante ou DITADOR, que fica no poder durante décadas, e sempre usam uniformes militares, em todas as aparições, e em nenhuma época, aliviam ou permitem certos tipos de liberdades ao povo.
    E no Brasil? Os generais usavam fardas ou roupas civis? Eles eram licenciados antes de assumirem o governo, e ficavam 5 anos como PRESIDENTE, eleitos pelo congresso, numa eleição INDIRETA. Mesmo indireta, eram eleitos, e não assumiam pela força.
    De 5 em 5 anos, eram substituídos.
    As tropas eram vistas nas ruas apenas em situações de conflitos que a polícia não conseguia conter, assim como hoje. Eu mesmo quando servi o exército, saí algumas vezes para patrulhar as estações de trens pois haviam depredações das composições, mas, nunca houve violência contra os civis. Ficávamos apenas observando, impondo respeito, e jamais tocávamos em algum civil, a não em caso extremo, o que comigo nunca houve ou ouvi falar que havia acontecido.
    E, quando a população idiota, imbecil e zumbificada pela mídia e pelos comunistas que sobreviveram à TEMIDA DITADURA brasileira, retornaram e influenciaram o povo a pedirem que os militares entregassem o poder aos civis (isso mesmo, aos civis, esse que você conhece, que está levando o país ao caos novamente, esse que você defende tanto).
    Em pouco tempo, o TEMIDO PODER DITATORIAL, resolveu entregar o poder ao Crime Organizado, mas deixaram avisos que nos arrependeríamos desse pedido, e que só conseguiríamos retirá-los do poder com muita luta e sangue inocente.
    E assim está acontecendo!
    Ou seja, entregaram o poder sem questionar, sem resistência, aos civis.
    É essa DITADURA que você tanto critica?
    Estude mais, conheça mais! Esse é o mal dos que criticam o regime militar, o que aprenderam nos livros de ESTÓRIAS.

    ResponderExcluir